Manchetes

Réveillon de Cabrália será nos dias 30 e 31, veja as atrações

Dia 30 – Jau e Bandas Locais. Dia 31 – Sinho Ferrary e Bandas Locais. Jau Aos 17 anos, Jau passou a integrar o Olodum como autor e intérprete. Com o grupo viajou pelo mundo e participou de importantes festivais de música como Montreux, WOMAD e Musiques Métisses, e tocou com nomes da música mundial […]


Dia 30 – Jau e Bandas Locais.
Dia 31 – Sinho Ferrary e Bandas Locais.

Jau

Aos 17 anos, Jau passou a integrar o Olodum como autor e intérprete. Com o grupo viajou pelo mundo e participou de importantes festivais de música como Montreux, WOMAD e Musiques Métisses, e tocou com nomes da música mundial como, Tracy Chapman e Joan Baez. Com Paul Simon fez show no Central Park, em Nova York. Do Olodum para o mundo e para a música. “Foi no Olodum que me entendi como ser humano, que ganhei autoestima e aprendi a lidar com multidão”, revela Jau.
 
Autor de grandes sucessos do grupo nascido no Pelourinho como “Canto ao Pescador” e “Jeito Faceiro”, teve suas composições gravadas por inúmeros artistas. “Estrela Primeira”, na voz de Netinho; “A Camisa e o Botão”, com Cláudia Leitte; “Topo do Mundo”, gravada por Daniela Mercury; “Fanfarra”, pelo Araketu, entre tantos outros. Cada canção de sucesso marcou a trajetória de um artista essencialmente inspirado pelo amor. Inquieto e constantemente em busca de transformações, criou em 2005, ao lado de Pierre Onassis, ex-parceiro do Olodum, a banda Afrodisíaco. Inovou, inserindo a música sinfônica, através do violino e do sopro, à batida percussiva afro-baiana. Em um ano emplacou dois grandes sucessos, “Já é” e “Café Com Pão”, que ficou conhecida como Vixe Mainha e acabou dando o novo nome da banda, no carnaval de 2006.

Em 2008, ao lado de Caetano Veloso gravou a música tema do filme Ó Pai Ó. Logo depois, em trabalho solo, registrou em um cd a sua produção criativa do momento pós Afrodisiaco e o sucesso deste registro fonográfico tomou conta da Bahia. As músicas de Jau eram ouvidas e cantadas nos quarto cantos do estado, em todos os meios, em todas as classes sociais. A sua elegância criativa, através da sua originalidade melódica e poética invadiu a alma baiana, devolvendo a alto estima aos apreciadores da boa e original música popular da Bahia. Era como se algo vindo da mesma matriz cancioneira de criadores como Dorival Caymmi, estava-se novamente se ouvindo. Os shows de Jau, lotados, tornaram-se momentos de encontro entre esta multidão admiradora aquele artista que estava propondo este novo “elixir” histórico da música da Bahia. Longe de ser música axé, era a música cheia de gente. De verdade. A sua música “Flores da Favela” virou hit fundamental e o trabalho solo de Jau ultrapassou as fronteiras do estado.

Sinho Ferrary

Com 14 anos de carreira e dono de uma das vozes mais fortes e marcantes do meio musical, Sinho Ferrary vai tocar no dia 31 de dezembro em Santa Cruz Cabrália

Levantando a bandeira do arrocha, Sinho Ferrary, natural de Itambé (Ba), promete sacudir Cabrália com seus hits de sucesso.


. . .

Leia também:

Censo 2022 começa em territórios indígenas

O Censo 2022 começa hoje (10) nos territórios indígenas e vai até 31 de outubro. Serão recenseados os indígenas...

Idosa de 75 anos morre após cair em fossa séptica em Itapebi

Uma idosa de 75 anos morreu após cair em fossa séptica instalada no quintal da casa onde ela morava no município de Itapebi, no extremo...

CNH pode custar até R$ 3 mil: veja como tirar a habilitação de graça

A Carteira Nacional de Habilitação (CNH), também conhecida como carteira de motorista, costuma ficar ainda mais cara com o passar do...

IBGE começa nesta segunda o Censo 2022

Com o objetivo de levantar dados amplos e confiáveis sobre diversos aspectos da vida dos brasileiros, o Instituto Brasileiro de Geografia...