Réveillon de Cabrália será nos dias 30 e 31, veja as atrações

Dia 30 – Jau e Bandas Locais. Dia 31 – Sinho Ferrary e Bandas Locais. Jau Aos 17 anos, Jau passou a integrar o Olodum como autor e intérprete. Com o grupo viajou pelo mundo e participou de importantes festivais de música como Montreux, WOMAD e Musiques Métisses, e tocou com nomes da música mundial […]


18 de dezembro de 2018 10:58

Dia 30 – Jau e Bandas Locais.
Dia 31 – Sinho Ferrary e Bandas Locais.

Jau

Aos 17 anos, Jau passou a integrar o Olodum como autor e intérprete. Com o grupo viajou pelo mundo e participou de importantes festivais de música como Montreux, WOMAD e Musiques Métisses, e tocou com nomes da música mundial como, Tracy Chapman e Joan Baez. Com Paul Simon fez show no Central Park, em Nova York. Do Olodum para o mundo e para a música. “Foi no Olodum que me entendi como ser humano, que ganhei autoestima e aprendi a lidar com multidão”, revela Jau.
 
Autor de grandes sucessos do grupo nascido no Pelourinho como “Canto ao Pescador” e “Jeito Faceiro”, teve suas composições gravadas por inúmeros artistas. “Estrela Primeira”, na voz de Netinho; “A Camisa e o Botão”, com Cláudia Leitte; “Topo do Mundo”, gravada por Daniela Mercury; “Fanfarra”, pelo Araketu, entre tantos outros. Cada canção de sucesso marcou a trajetória de um artista essencialmente inspirado pelo amor. Inquieto e constantemente em busca de transformações, criou em 2005, ao lado de Pierre Onassis, ex-parceiro do Olodum, a banda Afrodisíaco. Inovou, inserindo a música sinfônica, através do violino e do sopro, à batida percussiva afro-baiana. Em um ano emplacou dois grandes sucessos, “Já é” e “Café Com Pão”, que ficou conhecida como Vixe Mainha e acabou dando o novo nome da banda, no carnaval de 2006.

Em 2008, ao lado de Caetano Veloso gravou a música tema do filme Ó Pai Ó. Logo depois, em trabalho solo, registrou em um cd a sua produção criativa do momento pós Afrodisiaco e o sucesso deste registro fonográfico tomou conta da Bahia. As músicas de Jau eram ouvidas e cantadas nos quarto cantos do estado, em todos os meios, em todas as classes sociais. A sua elegância criativa, através da sua originalidade melódica e poética invadiu a alma baiana, devolvendo a alto estima aos apreciadores da boa e original música popular da Bahia. Era como se algo vindo da mesma matriz cancioneira de criadores como Dorival Caymmi, estava-se novamente se ouvindo. Os shows de Jau, lotados, tornaram-se momentos de encontro entre esta multidão admiradora aquele artista que estava propondo este novo “elixir” histórico da música da Bahia. Longe de ser música axé, era a música cheia de gente. De verdade. A sua música “Flores da Favela” virou hit fundamental e o trabalho solo de Jau ultrapassou as fronteiras do estado.

Sinho Ferrary

Com 14 anos de carreira e dono de uma das vozes mais fortes e marcantes do meio musical, Sinho Ferrary vai tocar no dia 31 de dezembro em Santa Cruz Cabrália

Levantando a bandeira do arrocha, Sinho Ferrary, natural de Itambé (Ba), promete sacudir Cabrália com seus hits de sucesso.