Moradores de Coroa Vermelha reclamam da situação das ruas e dizem fazer equilibrismo para não cair na lama

De moto, carro, ou a pé a situação é muito difícil. Todos precisam driblar a lama para chegar até os seus destinos


9 de agosto de 2019 10:28

Moradores do Coroa Vermelha, em Santa Cruz Cabrália, relataram os dramas vividos com a péssima situação em que se encontram algumas ruas.

As ruas não têm pavimentação e com o tempo chuvoso estão intransitáveis. O acesso, tanto utilizando veículos como a pé, é algo praticamente impossível. Os moradores precisam se equilibrar para não caírem na lama.

Um morador da Rua Angelim, que é morador há mais de 15 anos, contou que nunca viu no local alguma iniciativa do poder público de melhorias. Segundo ele, a população sofre para trafegar na rua, “depois que o prefeito Agnelo Santos e o vereador Romali mudaram para cá, acreditei que algo seria feito pelo bairro, mas até hoje nada”, desabafou.

“Para pegar o ônibus a gente precisa ir até na pista e vamos andando e atravessamos essa lama toda”, declarou.

Alex Ferreira, que também é morador do bairro e mora na rua Sucupira, reiterou sobre as péssimas condições das ruas. Ele afirmou que os buracos destroem a suspensão dos veículos e pedestres ficam todos sujos de lama.

“Já estou aqui há seis anos e não tem nenhuma ação, nem melhoria. Estamos sofrendo com tudo isso aqui e atolados na lama”, disse.

O professor Maurício Oliveira comentou que precisa fazer equilibrismo para transitar de moto pelas ruas do bairro. Ele informou que a motocicleta atola, a corrente fica cheia de lama e a situação está absurda.

“Nós queremos que a prefeitura tome as devidas providências. É preciso que venham sanar esse erro de falta de estrutura”, salientou.

“De moto, carro, ou a pé a situação é muito difícil. Todos precisam driblar a lama para chegar até os seus destinos”, acrescentou.

Os moradores disseram que a prefeitura até chegou a passar máquinas nas ruas, mas com as chuvas, a terra do local fica solta e assim surgem os buracos e alagamentos.

Fonte: Namídia