Fechamento da Caixa Marcará é um retrocesso para Cabrália

O ano de 2017 pode ficar marcado na história de Cabrália, como o ano do retrocesso, caso se confirme o fechamento da agência da Caixa. Nesta quarta (23), bancárias e bancários estão mobilizados em Santa Cruz Cabrália para denunciar o risco de fechamento da agência da Caixa Econômica Federal da cidade. O objetivo é informar […]


23 de agosto de 2017 15:12

O ano de 2017 pode ficar marcado na história de Cabrália, como o ano do retrocesso, caso se confirme o fechamento da agência da Caixa.

Nesta quarta (23), bancárias e bancários estão mobilizados em Santa Cruz Cabrália para denunciar o risco de fechamento da agência da Caixa Econômica Federal da cidade. O objetivo é informar a população sobre o desmonte que o banco vem sofrendo, com redução de agências e demissão de funcionários.

O fechamento de uma agência da Caixa não representa apenas prejuízo para os próprios bancários, a sociedade é penalizada. Carlos Eduardo Coimbra, coordenador-geral do Sindibancários, afirma que por ser uma instituição pública, a Caixa tem papel social: “O ato é uma maneira de alertar as pessoas sobre o desmonte dos bancos públicos. E essa é decisão política do Governo Temer, que também está reduzindo os investimentos na construção de moradias e a capacidade de atendimento pessoal à população”, lembra Coimbra.

Desmonte da Caixa

Inauguração em 28 de agosto de 2013 da agência da Caixa de Cabrália Na foto o ex-prefeito Jorge Pontes, o superintendente geral da CAIXA no Sul da Bahia, Marcus Vinícius e Luciano Monteiro

No começo de agosto, o banco publicou uma instrução normativa indicando fim dos concursos públicos para a contratação de seus funcionários. João Climário, diretor jurídico do Sindibancários, alerta: “queremos mostrar o processo de desmonte ao qual está sendo submetida a Caixa, uma instituição financeira centenária que tem contribuído para o desenvolvimento do país, por meio de programas de geração de emprego e renda, financiamento habitacional, incentivo ao turismo, redução da desigualdade regional, dentre outras”, lembra Climário.

A Caixa está presente na vida das pessoas – Por intermédio de seus programas sociais, do FGTS, das loterias. O Programa Minha Casa Minha Vida é apenas um exemplo da importância do banco para amenizar o problema do déficit habitacional. A Caixa é líder desse mercado porque oferece as melhores condições, prazos e taxas de juros. Além de ser a operadora do Programa, ela também concede empréstimos para os compradores dos imóveis.