‘Desejamos ter mais espaço’, diz Lídice em meio a possível reforma do governo Rui Costa

“Desejamos ter mais espaço”. Essa foi a sinalização feita pela presidente do PSB na Bahia, a deputada federal Lídice da Mata, ao governo Rui Costa (PT) em meio a uma possível reforma do secretariado estadual. A legenda pleiteia ampliação no espaço, que hoje se restringe à secretaria do Meio Ambiente, comandada por João Carlos Oliveira.  “Somos […]


27 de abril de 2021 09:14

“Desejamos ter mais espaço”. Essa foi a sinalização feita pela presidente do PSB na Bahia, a deputada federal Lídice da Mata, ao governo Rui Costa (PT) em meio a uma possível reforma do secretariado estadual. A legenda pleiteia ampliação no espaço, que hoje se restringe à secretaria do Meio Ambiente, comandada por João Carlos Oliveira. 

“Somos leais, o que não quer dizer que não podemos tecer críticas. Colocamos as divergências com seriedade. Com confiança nos interlocutores. Eu acho que esta é a postura dos deputados do PSB, da direção. É necessário uma aproximação real. Espaços para o PSB contribuir com o governo, se fortalecer. Temos lealdade política ideológica”, disse ao Bahia Notícias.

Mas a discussão sobre mais espaço para o PSB no governo pode envolver ainda um importante detalhe: a saída do senador Jaques Wagner (PT) para a disputa ao governo do estado. O suplente de Wagner é Bebeto Galvão, atualmente vice-prefeito de Ilhéus. Poderia significar o retorno de um socialista ao Senado, algo que pode ser considerado na formação da majoritária em 2022. Apesar disso, Lídice descarta a relação do fato com a discussão atual. 

“A vaga de Bebeto é a vaga de Bebeto. Fui tirada da chapa [em 2018]. Infelizmente as forças políticas da Bahia não compreenderam a força de ter uma mulher na chapa, com o destaque da minha atuação política, inclusive com o apoio da presidente Dilma [Rousseff]. Isso não pode se contar para a frente. Wagner eleito, Bebeto assumirá. O PSB luta pelo seu crescimento, para a disputa na chapa majoritária”, disse. 

E BEBETO? 

Como vice em Ilhéus, Bebeto Galvão (PSB) acredita que primeiramente é necessário superar a pandemia para iniciar o diálogo com o partido para definir o que será feito em 2022.

“O primeiro desafio é superar o maior drama que vive o povo brasileiro. É a questão sanitária. Que vem produzindo um desalento para as famílias brasileiras. Tudo isso não interrompe a natureza do processo político brasileiro. Temos que pensar em uma frente de esquerda, para superar tudo isso com uma frente ampla. Estamos fazendo de forma espaçada, mas de maneira cuidadosa. Com o PT e PSB. Queremos participar do esforço. Temos uma aliança com o governador Rui Costa”, disse ao BN.

Outra possibilidade aventada seria de Galvão disputar uma cadeira para a Câmara dos Deputados, opção que não está descartada. “Em 2022, eu não vou dizer que não. Quem faz política está sempre desafiado para participar de processo eleitoral”, comentou.