Construção próximo de praia é questionada por moradores de Cabrália

A construção, pela prefeitura de Santa Cruz Cabrália, de uma base de concreto de cerca de 10 metros de extensão, próximo a uma praia, na entrada da cidade, está sendo questionada por moradores. O primeiro a denunciar foi o professor Cláudio Portella. “Toda a orla do município é tombada como patrimônio histórico e paisagístico. Além […]


23 de janeiro de 2018 22:26

A construção, pela prefeitura de Santa Cruz Cabrália, de uma base de concreto de cerca de 10 metros de extensão, próximo a uma praia, na entrada da cidade, está sendo questionada por moradores.

O primeiro a denunciar foi o professor Cláudio Portella. “Toda a orla do município é tombada como patrimônio histórico e paisagístico. Além disso, é uma área de preservação ambiental. Eles não têm autorização para fazer essa intervenção”, afirmou o professor.

Portella disse que foi informado pelos trabalhadores de obra que no local será erguida uma placa de publicidade, onde serão divulgados os eventos promovidos pela prefeitura. “Vão estragar a paisagem. É um dos poucos lugares da orla onde não existem barracas, o que permite que possamos sentar e apreciar a paisagem”, lamenta o professor.

Na tarde da segunda-feira (22), a equipe de reportagem procurou o secretário de Meio Ambiente do município, Euclides Sena, mas ele demonstrou que não tinha conhecimento da situação. “Não estou no município e não sei do que se trata, mas posso afirmar que não recebemos nenhuma solicitação para que fosse feita alguma intervenção no local”, afirmou Euclides.

O secretário disse ainda que a obra deve está sendo realizada pela Secretaria de Infraestrutura e que, certamente, é de interesse público.

O chefe do escritório técnico do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Porto Seguro, Fernando Eraldo Medeiros, também informou que não recebeu nenhum requerimento para que fosse realizada qualquer obra no local.

Medeiros confirmou que toda a orla do município de Santa Cruz Cabrália é tombada como patrimônio histórico e paisagístico e que qualquer intervenção precisa ser autorizada pelo Iphan, “Até o momento, também não recebemos nenhuma denúncia referente a isso”, afirmou ele.

Tentamos entrar em contato com o secretário municipal de Infraestrutura, Geraldo José de Almeida Gordilho, buscando esclarecer a finalidade da obra, mas não obtivemos retorno.