Condenado em 2ª instância: Prefeito Agnelo Santos mesmo inelegível tenta ser candidato em 2020

Faltando pouco mais de um ano para as eleições municipais, onde a população do município de Santa Cruz Cabrália vai escolher prefeito e vereadores, o atual gestor, Agnelo Santos(PSD), ainda não sabe seu futuro político, o mesmo está inelegível por 8 anos. O prefeito Agnelo Santos hoje carrega uma rejeição de mais de 60% do […]


15 de abril de 2019 17:32

Faltando pouco mais de um ano para as eleições municipais, onde a população do município de Santa Cruz Cabrália vai escolher prefeito e vereadores, o atual gestor, Agnelo Santos(PSD), ainda não sabe seu futuro político, o mesmo está inelegível por 8 anos.

O prefeito Agnelo Santos hoje carrega uma rejeição de mais de 60% do eleitorado, escândalos em cima de escândalos, hoje o gestor não tem mais o prestígio da população.

Mesmo divulgando em sites pagos pelo município que pretende uma reeleição, isso não pode ocorrer de fato, ele foi julgado pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), sendo enquadrado na lei da ficha limpa, onde também foram julgados os prefeitos de Eunápolis, Robério e de Porto Seguro, sua irmã Cláudia.

Fazer uma pergunta não ofende e não é pecado:
Agnelo terá coragem de enganar a população se dizendo candidato?

ENTENDA O CASO

O prefeito Robério Oliveira e seu cunhado Agnelo Santos, então secretário de finanças, foram condenados por improbidade administrativa por uma ação movida pelo Ministério Público estadual (MP-BA), em 2007, ainda na 1ª administração de Robério em Eunápolis.

A decisão foi do juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Eunápolis, Roberto Costa de Freitas Júnior, publicada no dia 5 de fevereiro deste ano. Como cabia recurso, os réus recorreram e nesta terça o recurso foi negado, mantendo a condenação.

De acordo com a Ação, os dois remanejaram ilegalmente verbas do orçamento Municipal, sem autorização da Câmara de Vereadores. O juiz decidiu ainda pelo afastamento do cargo e suspendeu os direitos políticos dos 2 condenados, além de pagamento de multa correspondente à 10 vezes o salário de prefeito.