Com 54%, UFSB é a mais afetada por corte, dizem reitores

A UFSB (Universidade Federal do Sul da Bahia) é a instituição de ensino mais afetada pelo bloqueio do governo, com 53,96% do orçamento discricionário afetado. Em seguida, aparece a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), com 52,04%


16 de maio de 2019 17:29

O corte no orçamento imposto pelo MEC (Ministério da Educação) às universidades federais chega a 54%, segundo dados apresentado hoje pela Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior).

A associação lançou na tarde de hoje, em Brasília, o “Painel dos Cortes”, com detalhes sobre o orçamento das instituições de ensino. O bloqueio diz respeito aos repasses federais para gastos discricionários, que envolvem contas de luz e água, por exemplo, mas não salários.

A UFSB (Universidade Federal do Sul da Bahia) é a instituição de ensino mais afetada pelo bloqueio do governo, com 53,96% do orçamento discricionário afetado. Em seguida, aparece a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), com 52,04%.

Segundo a Andifes, as diferenças entre os percentuais nos cortes tem relação com a peculiaridade orçamentária de cada instituição. Isso porque há universidades que possuem mais ou menos recursos próprios (devido a convênios, por exemplo) ou que receberam emendas de bancadas –tipo de verba que não pode ser cortada.

Fonte: UOL