Manchetes

Iniciativa pioneira do SUS acelera recuperação de pacientes com Covid-19

Na busca por sempre aprimorar as técnicas e estratégias para salvar as vidas das pessoas afetadas pela Covid-19, o Sistema Único de Saúde (SUS) implementou na Bahia as Unidades de Assistência Respiratória (UAR). O Hospital Metropolitano (HM) é um dos hospitais contemplados com a tecnologia e já teve sucesso com pacientes nesse novo sistema. O […]


Na busca por sempre aprimorar as técnicas e estratégias para salvar as vidas das pessoas afetadas pela Covid-19, o Sistema Único de Saúde (SUS) implementou na Bahia as Unidades de Assistência Respiratória (UAR). O Hospital Metropolitano (HM) é um dos hospitais contemplados com a tecnologia e já teve sucesso com pacientes nesse novo sistema. O ponto áureo das UARs está em evitar que o indivíduo tenha a necessidade de usar as técnicas mais invasivas e fazer com que as pessoas tenham alta médica com mais celeridade.

O sistema adotado nas UARs não é meramente um equipamento eletrônico que auxilia os pacientes a se recuperarem. É uma técnica caracterizada por ser um modelo de atendimento focado na fisioterapia respiratória. Os pacientes que são contemplados com essa ajuda realizam exercícios motores e respiratórios de forma constante visando o fortalecimento muscular. São técnicas que não usam agulhas, cirurgias ou medicamentos orais para resolver o problema e permitem que o paciente tenha uma rápida recuperação.

De acordo com a fisioterapeuta Karina Sorto, as Unidades de Assistência Respiratória focam em um público que precisa de mais atenção, mas que ainda não necessita das técnicas mais invasivas. “Ela é focada justamente nessa questão de assistência respiratória. Nela, a gente consegue direcionar os pacientes que estão em estado de necessidade de uma vigilância mais aumentada, mas não estão, necessariamente, precisando de ventilação mecânica invasiva”, informou Karina Sorto.

Segundo ela, a ideia é de fazer manejar e assistir o paciente para que ele melhore e seja transferido para uma unidade de complexidade menor.

Paulo Luiz Silva Santos, de 61 anos, foi um dos pacientes que foi contemplado por este tipo de atendimento e recebeu alta sem a necessidade de um tratamento mais agressivo. “Foi um pouco assustador no início do tratamento, porque você entra com um cateter e depois usa uma máscara que injeta o oxigênio para melhorar a sua oxigenação. Deu medo porque eu nunca precisei disso, mas quando eu vi a minha melhora e os fisioterapeutas dizendo que eu iria melhorar e que eu pude controlar o meu oxigênio, foi muito importante para mim”, relatou Santos.

*Sob supervisão do editor Nelson Luis

. . .

Leia também:

Cabrália registra 17 casos ativos, Bahia registra 5.248 casos ativos de Covid-19 e mais 9 óbitos

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.991 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,13%) e 1.051 recuperados (+0,07%)....

PRF lança Operação Corpus Christi 2022 na Bahia

Corpus Christi é um dos feriados cristãos mais comemorados no Brasil. Neste ano de 2022 a comemoração ocorrerá no dia 16 de junho,...

Três prisões em flagrante por posse ilegal de arma de fogo e munições de uso restrito

Policiais da 23ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin), de Eunápolis prenderam quatro pessoas, apreenderam um...

Com mais de 60 mil atendimentos, Policlínica Regional da Costa do Descobrimento completa primeiro ano de funcionamento

Nesta sexta-feira, 10, o presidente do Consórcio Interfederativo de Saúde e prefeito de Santa Cruz Cabrália, Agnelo Santos, participou...

60% dos baianos vacinados contra a Covid-19 não reforçaram a imunização com as 3ª e 4ª doses

Do total de 11,6 milhões de baianos vacinados com as 1ª e 2ª doses de vacina contra a Covid-19, cerca de 6,1 milhões de pessoas...